Cidade Ademar, Educação
Deixe um comentário

Escola Veleiros – a antiga “Casa dos Padres” hoje capacita mulheres cidadãs

Escola já formou mais de 600 profissionais de saúde para os principais hospitais de São Paulo

A bela rquitetura interna do local é um diferencial da Escola Veleiros – Foto: Sérgio Pires

A Escola Centro de Capacitação Profissional Veleiros na Vila Missionária é uma das mais tradicionais. Voltada para o público feminino para uma formação cidadã, já colocou no mercado de trabalho mais de 600 profissionais de saúde da região. Atua no bairro desde 2000, com cursos gratuitos de reforço escolar, tecnologia e com o curso profissionalizante de Técnico de Enfermagem desde 2004.

Á frente a diretora Maria Clotildes de ao fundo a coordenadora Luciana Matos

Ao passar pela Rua Rua Papa Gregório Magno, 597, na Vila Missionária, um enorme terreno com muitas árvores chamam a atenção de todos que passam pelo local. Ali, por muitos anos, foi conhecido como “Casa dos Padres”, quando era administrado pela PIME (Pontifício Instituto das Missões Exteriores). Em 1999 o imóvel foi adquirido pela AFESU (Associação Feminina de Estudos Sociais e Universitários), uma ONG mantenedora da Escola Veleiros.

A reportagem do jornal O Bairro Cidade Ademar esteve no local pela primeira vez e mostra como é o local interno, onde por muitos anos, foi à morada dos padres.  A diretora da escola Maria Clotildes dos Santos, recebeu a reportagem junto com a coordenadora pedagógica Luciana Matos.

Corredores das salas com charme do passado

Inicio – De acordo com Clotildes, os padres saíram do local entre 1999 e 2000 quando a propriedade foi adquirida pela AFESU, que é a mantenedora do espaço. “A ideia inicial desta entidade era montar uma escola para atender as mulheres necessitadas e por isto o carro chefe, da região foi o curso de técnico de enfermagem”, disse.

A diretora informa que esta associação nasceu em 1963 para atender as necessidades das mulheres e com o foco no público feminino. “A primeira unidade foi em Taboão da Serra para as mulheres serem independentes e, no inicio, o carro chefe eram os cursos de artesanatos para complementar a renda familiar. Com o passar do tempo, estas mulheres pediram algo para as crianças e com isso o projeto se inverteu. Hoje o foco são as crianças de 8 a 18 anos, tudo mudou com o tempo”, explicou.

A diretora relata que o primeiro curso da entidade aconteceu em 2004, com a primeira turma do curso após ser todo regulamentado em três de outubro de 2003. “Hoje temos profissionais que se formaram aqui trabalhando no Dante Pazzanese, no Hospital Pedreira, Iamspe, entre outros hospitais importantes de São Paulo. O curso de Técnico de Enfermagem já formou mais de 600 profissionais da saúde e estas profissionais estão espalhadas pelos principais hospitais e centros de saúde de São Paulo”, revelou.

De acordo com a coordenadora Luciana matos, o curso de Técnico de Enfermagem é específico, onde as meninas que ingressam vão experimentar algo que nunca viram. “Aqui tem que ter vocação. Quando elas vão para o primeiro estágio, acontece o divisor de águas. Algumas voltam transformadas. Os estágios acontecem nos hospitais e UBSs e Capes, agora UPAS, grande parte dos estágios acontecem nos hospitais da região”, informou.

Participação da Comunidade – A participação da comunidade acontece com a participação da família. “Nosso trabalho é para a família, se não tivemos trabalhos com os pais, não há como atuar com as meninas. A cada dois meses fazemos reuniões de pais, capacitando-os. Eles vêm aqui para ver se está tudo certo com a escola e com a formação de sua filha,
Damos palestras para eles com os seguintes temas: “Como acompanhar seu filho ou Como acompanhá-los na rede social. “Essa é a nossa entrega para os pais”, disse a diretora.

Vagas limitadas – Apesar de o terreno ser grande, a escola tem poucas salas, o que limita o número de vagas. O curso de técnico de enfermagem já se encerrou, mas ainda há vagas para os cursos de tecnologia básica para as meninas do 9º ano e o de Desenvolvimento Web para as meninas do 3º ano do Ensino Médio. São 30 vagas podendo se estender e ainda há o curso de gastronomia, que é para os alunos do 9ª ao 2º ano do Ensino Médio.

Formação humana

“Não estamos preocupados apenas com o conteúdo técnico, mas sim com a formação humana. Trabalhamos as habilidades socioemocionais “Soft Skills” – Na verdade a formação humana que elas sejam transformadoras da sociedade”, destaca Luciana Matos.

A coordenadora relata que o maior sonho da escola hoje seria a construção de uma quadra e também um auditório. “Nosso laboratório tem os equipamentos necessários, contamos também com um desfibrilador novo que foi doado. Todos podem vir nos conhecer, afinal a escola não é nossa, é da comunidade”, finalizou Matos.

Doações
A Escola Veleiros não cobra mensalidade e funciona a partir de doações de empresas da região, para conhecer o trabalho entrar em contato, pelo telefone 5612-3977 e falar com Clotildes ou Luciana.

Veja o site da escola e as vagas disponíveis

Veja as imagens do local – Fotos de Sérgio Pires

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s