Crônica Urbana
Deixe um comentário

Singelamente

Foi bem assim, devagar, entende? Eu estava andando pela Avenida Cupecê, lá na Cidade Ademar, quando eu a vi entrando na igreja. Ela estava toda nua e estava sozinha. Era uma morena de aproximadamente 1.70 de altura com os cabelos cacheados e cumpridos até a cintura. Pensei até que fosse pegadinha ou propaganda de televisão.

Dois dias depois descobri que o Carlos a conhecia, e ele me disse que o nome dela era Penélope. Achei estranho, pois nunca conheci ninguém com o nome de Penélope, a não ser a da literatura. Contei o fato ao Renato, e, de imediato ele desmentiu o Carlos e disse que esta menina estudava no Leonor Quadros, uma escola pública da Cidade Ademar, e que o nome verdadeiro dela era Amélia e que estava muito deprimida por ter acabado o seu casamento.

Semanas se passaram e eu encontrei a Suzi, e sem querer ela tocou no assunto da mina que entrou nua na igreja. Ela disse que conhecia a irmã dela, e disse que tinha ficado louca depois de um acidente de carro na Avenida 23 de maio. Suzi disse que a mina se chama Ester, em homenagem a mulher da bíblia, já que seus pais eram evangélicos e depois disto nunca mais ouviu falar dela e, que a última vez que a viu foi neste vídeo que viralizou na internet.

Não falei a ninguém que a tinha visto, apenas fiquei curioso, e descobri que ela tinha três nomes, ou três histórias diferentes de quem supostamente a conhecia. Foi aí que resolvi tirar esta história a limpo. Fui até a igreja e ao adentrar logo na porta, uma morena muito simpática sorriu e me deu um jornal junto com um papel com uma mensagem bíblica. Reconheci aquele rosto singelo das semanas anteriores, um olhar profundo que enaltecia sua bochecha rosada, um vestido justo e delicadamente comportado junto a um lenço que cobria seus cabelos cacheados. Sem palavras agradeci o jornal e o pequeno panfleto e me senti completamente nu, e renovado ao vê-la daquele jeito, vestida. Não contive a curiosidade e perguntei: “Qual é o seu nome? Um breve olhar foi a resposta completada pelas palavras singelas. “Não preciso de nome, só preciso ser”, disse sorrindo. Agradeci e fui embora.

Este post foi publicado em: Crônica Urbana

por

Formado em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo, Letras, pela Faculdade Diadema. Pós-Graduado em Estudos Linguísticos e Literários pela Fundação Santo André. Andante das ruas da Cidade Ademar e de toda São Paulo e apaixonado pelas comidas de boteco e futebol, principalmente futebol de várzea.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s